Portfólio do editor em

Belo Horizonte,

Mapa do Blog | Avise Erros | Contato

COMUNICAÇÃO | SOCIEDADE | CULTURA | ESPORTE

 

CULTURA


Cultura popular Compartilhar

A tribo pelo olhar do outro

 
Léo Rodrigues | 15/12/2008 Notícia publicada pelo jornal Boletim, da UFMG

Em livro-reportagem, estudantes de jornalismo investigam o modo de vida da comunidade LGBT de Belo Horizonte

Que músicas escutam, que roupas vestem e que programas fazem os sujeitos que se identificam como membros da comunidade LGBT (Lésbicas, Gays, Bissexuais, Travestis, Transexuais e Transgêneros)? Buscar respostas para essas questões foi um desafio enfrentado por Vinícius da Silva Luiz e Maria Tereza Novo Dias, estudantes de Comunicação Social da Fafich. Eles apresentaram, no dia 10 de dezembro, o projeto experimental de conclusão de graduação, materializado no livro-reportagem Cidade dos outros – Espaços e tribos LGBT em Belo Horizonte. O trabalho, que não foca nas questões eróticas, prefere abordar outras formas de sociabilidade adotadas pela comunidade LGBT.

Livro-reportagem Cidade dos outros – Espaços e tribos LGBT em Belo HorizonteSegundo Vinícius da Silva Luiz, o público-alvo do livro-reportagem são leitores de blogs, preferencialmente não-iniciados no universo homossexual. Por isso, a linguagem adotada transita entre o didático e o curioso. “O leitor de blog é aquele que não se contenta em ter apenas uma fonte de informação. Ele visita vários blogs que abordam o seu tema de interesse. Por isso, o nosso livro-reportagem fornece informações sem ser excessivamente didático. Alguns termos não são explicados, justamente para permitir que o leitor pesquise em outras fontes”, explica o estudante.

O objetivo não era fazer um guia de ambientes freqüentados pela comunidade LGBT, mas escolher alguns espaços para observar e entrevistar pessoas. Os dados coletados seriam utilizados para identificar questões ligadas ao modo de vida, como forma de vestir, tipo de música preferida, atividades que realizam, entre outros aspectos. Foram visitadas várias boates, sendo quatro delas voltadas para o público LGBT. Dessas, três já são casas tradicionais – Josefine, Gis e Estação 2000. A quarta, Amici, embora mais recente, recebe um fluxo considerável de pessoas. A dupla entrevistou empresários do ramo e freqüentadores. Estes últimos foram apresentados no trabalho com nomes fictícios para resguardar sua identidade.

Muitos entrevistados eram capazes de listar e explicar as características de diversas tribos, como barbies, finas, transcolocadas, poc-pocs, emos, indies e modernos. Mas não havia sentimento de autopertencimento. Em geral, eles não eram capazes de mencionar qual a sua tribo. Com base nessa observação, Vinícius e Maria Tereza concluem que uma tribo é sempre resultado do olhar do outro.

Construção social

A pesquisa se valeu de alguns referenciais teóricos. Para abordar a questão da tribo, a dupla recorreu à visão do sociólogo francês Michel Maffesoli, para quem os agrupamentos cada vez menos se formam por questões políticas e mais por semelhança nos gostos. A segunda é a chamada teoria Queer, que tem Judith Butler e Jeffrey Weeks entre seus expoentes, e que ajuda na compreensão do comportamento dos membros da comunidade LGBT. De acordo com essa corrente, o gênero dos indivíduos é resultado de uma construção social, portanto, não existem papéis sexuais predefinidos pela natureza humana. A teoria rejeita oposições binárias como “homem e mulher” e “heterossexual e homossexual”.

Uma terceira influência teórica vem de Michel Foucault, que afirma não haver repressão sexual, mas uma organização de valores que define padrões de comportamento aceitáveis ou não. Vinícius da Silva Luiz acredita que os valores predominantes na sociedade estão entre os fatores que limitam a comunidade LGBT a determinados espaços. “Quando as pessoas lhe negam os espaços, essa comunidade é levada a se juntar em locais específicos. O ideal seria que eles pudessem se manifestar em qualquer ambiente, pois suas características particulares não dependem de onde freqüentam”, defende Vinícius.

 

comments powered by Disqus

 

O EDITOR


Léo Rodrigues

Repórter da Agência Brasil, formado em Comunicação Social pela UFMG em 2010. Ex-jornalista da TV Brasil e do Portal EBC, onde também atuou como editor de esportes. Diretor de documentários cujo foco de interesse é a cultura popular, entre eles os longas "Aboiador de Violas" e "Pra fazer carnaval mais uma vez". Saiba mais

 

O BLOG


O trabalho do jornalista nunca é isento. Trata-se de um exercício constante de escolhas. Para onde apontar a lupa? De que ângulo posicionaremos a lupa? Este espaço surge a partir do interesse do editor em concentrar o seu acervo de produções jornalísticas e, ao mesmo tempo, propor coberturas e reflexões sobre comunicação, sociedade, cultura e esporte. Entenda melhor a proposta

 

QUEM É O EDITOR | PROPOSTA DO BLOG | MAPA DO BLOG | AVISE ERROS | CONTATO

Alguns direitos reservados
Todo o conteúdo deste site está publicado sob a Licença Creative Commons Atribuição 3.0 Brasil exceto quando especificado em contrário.
Permitida a cópia, redistribuição e alterações desde que se conceda os devidos créditos e mencione caso alguma adaptação tenha sido realizada.
Saiba mais como funciona a Licença Creative Commons Atribuição 3.0 Brasil