Portfólio do editor em

Belo Horizonte,

Mapa do Blog | Avise Erros | Contato

COMUNICAÇÃO | SOCIEDADE | CULTURA | ESPORTE

 

CULTURA


Cultura democrática e popular Compartilhar

Mulheres lançam marchinha e campanha contra assédio no carnaval de BH

 
Léo Rodrigues | 20/02/2017 - 20:07 Notícia publicada pelo Agência Brasil

As organizadoras da campanha explicam que a iniciativa é uma reação a diversos comentários machistas que foram encontrados na internet depois que um jornal publicou reportagem sobre os blocos formados apenas por mulheres.

Mulheres que integram diversos blocos de rua do carnaval de Belo Horizonte lançaram hoje (20) a campanha Tira a Mão: é Hora de Dar um Basta. O objetivo é combater o assédio durante a folia.

Segundo texto de divulgação da campanha, uma pesquisa do ano passado feita pela organização internacional ActionAid mostrou que 86% das mulheres brasileiras ouvidas sofreram assédio em público em suas cidades. "O tom da campanha é leve e busca mostrar que a foliã está no carnaval para se divertir e que o limite entre o assédio e a paquera não está na roupa, na fantasia ou na dança. O limite está na vontade da mulher", diz a campanha.

As organizadoras da campanha também explicam que a iniciativa é uma resposta a diversos comentários machistas que foram encontrados na internet depois que um jornal da capital mineira publicou reportagem sobre os blocos formados apenas por mulheres.

LEIA TAMBÉM:

  • Liminar derruba exclusividade de marca de cerveja no carnaval de Belo Horizonte
  • BH cria rede de transporte especial para carnaval e ônibus terão desvios fixos
  • Música que ironiza o termo "cidadão de bem" vence concurso de marchinhas em BH
  • Movimentos de ocupação do espaço público fizeram ressurgir blocos de rua de BH
  • Foram lançados um vídeo nas redes sociais, banners e a Marchinho, da compositora Brisa Marques. Todo o material pode ser livremente reproduzido.

    O vídeo tem 35 segundos. Enquanto foliãs aparecem na tela, uma narradora diz: "Sou foliã, sou da rua e da cidade. Eu comando a bateria, sou batuqueira, me jogo no carnaval. Mas isso não lhe dá nenhum direito. Portanto, não me toque sem o meu consentimento."

    Cerca de 30 blocos manifestaram apoio à campanha, além de entidades como o Sindicato dos Jornalistas Profissionais de Minas Gerais. As organizadoras da campanha pedem que o texto seja lido nos desfiles dos blocos e que a marchinha seja tocada em algum momento.

     

    comments powered by Disqus

     

    O EDITOR


    Léo Rodrigues

    Repórter da Agência Brasil, formado em Comunicação Social pela UFMG em 2010. Ex-jornalista da TV Brasil e do Portal EBC, onde também atuou como editor de esportes. Diretor de documentários cujo foco de interesse é a cultura popular, entre eles os longas "Aboiador de Violas" e "Pra fazer carnaval mais uma vez". Saiba mais

     

    O BLOG


    O trabalho do jornalista nunca é isento. Trata-se de um exercício constante de escolhas. Para onde apontar a lupa? De que ângulo posicionaremos a lupa? Este espaço surge a partir do interesse do editor em concentrar o seu acervo de produções jornalísticas e, ao mesmo tempo, propor coberturas e reflexões sobre comunicação, sociedade, cultura e esporte. Entenda melhor a proposta

     

    QUEM É O EDITOR | PROPOSTA DO BLOG | MAPA DO BLOG | AVISE ERROS | CONTATO

    Alguns direitos reservados
    Todo o conteúdo deste site está publicado sob a Licença Creative Commons Atribuição 3.0 Brasil exceto quando especificado em contrário.
    Permitida a cópia, redistribuição e alterações desde que se conceda os devidos créditos e mencione caso alguma adaptação tenha sido realizada.
    Saiba mais como funciona a Licença Creative Commons Atribuição 3.0 Brasil