Portfólio do editor em

Belo Horizonte,

Mapa do Blog | Avise Erros | Contato

COMUNICAÇÃO | SOCIEDADE | CULTURA | ESPORTE

 

CULTURA


Cultura democrática e popular Compartilhar

Carnaval de BH registrou um caso de violência contra mulher a cada 42 minutos

 
Léo Rodrigues | 09/03/2017 - 19:15 Notícia publicada pelo Agência Brasil

Levantamento da Polícia Civil aponta casos de agressão, lesão corporal e estupro, entre outras. Durante os seis dias da folia, entre a sexta-feira e a Quarta-feira de Cinzas foram registradas 205 ocorrências.

A Polícia Civil de Minas Gerais divulgou hoje (9) levantamento dos casos de violência contra mulheres no carnaval de Belo Horizonte. Durante os seis dias da folia, entre a sexta-feira e a Quarta-feira de Cinzas, foram registradas 205 ocorrências. Isto significa que houve, em média, uma vítima a cada 42 minutos de folia.

Foram 150 casos de agressão e 46 de lesão corporal. As nove ocorrências restantes envolveram estupro, estupro de vulnerável e outras infrações contra a dignidade sexual.

Os números apontam para uma realidade diferente da que foi apresentada pelo secretário municipal de Segurança Pública e Prevenção, Cláudio Beato, durante coletiva de balanço da prefeitura da capital mineira."Tivemos apenas uma ocorrência mais notável de crime de gênero, e o acusado está tendo que se explicar hoje na delegacia. O trabalho das forças de segurança foi muito positivo. Mas não foi só ele. A sociedade também estava mobilizada e preparada para lidar com este tipo de ocorrência", disse Beato.

LEIA TAMBÉM:

  • Mulheres lançam marchinha e campanha contra assédio no carnaval de BH
  • Segundo prefeitura, carnaval movimentou mais de R$ 500 milhões em BH
  • Carnaval de Belo Horizonte reuniu 3 milhões de foliões
  • Movimentos de ocupação do espaço público fizeram ressurgir blocos de rua de BH
  • Bloco Pena de Pavão de Krishna faz desfile espiritual em comunidade mineira
  • Ele se referia ao caso que ganhou destaque na imprensa em que uma mulher foi assediada e recebeu uma cabeçada no nariz. A vítima e testemunhas reconheceram e identificaram o agressor em fotos nas redes sociais. O caso está em investigação, por meio de inquérito aberto pela Polícia Civil. O homem prestou depoimento na semana passada.

    O combate ao assédio havia sido tema de uma campanha e de uma marchinha lançada por foliãs de Belo Horizonte. A iniciativa contou com o apoio de cerca de 30 blocos, além de entidades como o Sindicato dos Jornalistas Profissionais de Minas Gerais.

    Apesar do grande número de ocorrências neste carnaval, houve queda de 12,76% em relação aos números do ano passado (235 casos).

     

    comments powered by Disqus

     

    O EDITOR


    Léo Rodrigues

    Repórter da Agência Brasil, formado em Comunicação Social pela UFMG em 2010. Ex-jornalista da TV Brasil e do Portal EBC, onde também atuou como editor de esportes. Diretor de documentários cujo foco de interesse é a cultura popular, entre eles os longas "Aboiador de Violas" e "Pra fazer carnaval mais uma vez". Saiba mais

     

    O BLOG


    O trabalho do jornalista nunca é isento. Trata-se de um exercício constante de escolhas. Para onde apontar a lupa? De que ângulo posicionaremos a lupa? Este espaço surge a partir do interesse do editor em concentrar o seu acervo de produções jornalísticas e, ao mesmo tempo, propor coberturas e reflexões sobre comunicação, sociedade, cultura e esporte. Entenda melhor a proposta

     

    QUEM É O EDITOR | PROPOSTA DO BLOG | MAPA DO BLOG | AVISE ERROS | CONTATO

    Alguns direitos reservados
    Todo o conteúdo deste site está publicado sob a Licença Creative Commons Atribuição 3.0 Brasil exceto quando especificado em contrário.
    Permitida a cópia, redistribuição e alterações desde que se conceda os devidos créditos e mencione caso alguma adaptação tenha sido realizada.
    Saiba mais como funciona a Licença Creative Commons Atribuição 3.0 Brasil